segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Sweet Nonnos!!!

Semanas atrás, vi num calendário que dia 26 de Julho é o “Dia dos Avós” e pensei: “Não posso deixar de ligar para meus avós”. Óbvio que acabei esquecendo, e então não parei de pensar neles e resolvi escrever alguma coisa que celebrasse essas pessoas tão especiais em nossas vidas.
Meus avós maternos são fora de série: são avós de todo mundo. Minhas amigas os chamam usando o termo vó e vô, amigos dos meus pais e meus tios também. Sempre tiveram presença mais que marcante em minha vida, desde a infância, até agora, quando tive a oportunidade de morar com eles e viver um dos períodos mais especiais da minha vida. Minha avó Didi é fenomenal. Ela é capaz de falar sobre qualquer assunto, desde aborto até os conflitos no Oriente Médio, sem nenhum preconceito, e claro, com algumas doses de vodka...Meu avô Francisco é outra coisinha a parte: faaaaaaaaaaaaaaaaaalaaaaaa pelos cotovelos, e sim, quem o conhece sabe que esse termo se aplica a ele com precisão, adora contar piadas, é sentimental e carinhoso, além de trabalhador. Sim, ele está com 80 anos e mexe no computador todos os dias para trabalhar. Além de, é claro, coisa mais normal, falar usando o MSN com seus filhos e netos. Eles têm na porta da casa um quadro com os dizeres: “Na casa do vovô e da vovó tudo pode”. E essa regra sempre valeu.
Meus avós paternos não são menos especiais, apesar de menos irreverentes: meu avô, já falecido, nos deixou uma marca que jamais nos esqueceremos: muito mau humor! Nós o amamos muito, mas ele com certeza marcou nossa infância com seus “pitis”, e claro, com seu carinho e suas brincadeiras. Pior que o meu pai está ficando igualzinho a ele. Especialmente quando bufa. Minha avó Rosalba, ainda viva (porque ó Deus, porquê? – nos perguntamos as vezes....ela sabe tirar qualquer um do sério – culpa do meu avô que a mimou demais) é super zen. Faz yoga, meditação e agora sua mais nova invenção e estudar e seguir a Vedanta. Acho ótimo, fantástico ter uma avó que estuda e quer crescer espiritualmente, duro é ter que ir no Ashrama e ficar de papinho com os monges...até recebê-los em casa para algumas refeições! Eu não posso nem sentir o cheiro de gengibre, e com certeza a visita dessas pessoas é a explicação.
São tantas as lembranças, eu poderia de passar dias e até escrever um livro contando as histórias que vivi com meus avós, e nem assim, eles estariam devidamente homenageados. Só quem teve avós sabe, e quem não teve com certeza deve ter tido alguma pessoa em que projetava essas imagens tão importantes na nossa formação.
Quero muito ser mãe, claro que sim. Mas quero mais: quero ser avó. E uma avó daquelas: maravilhosa, falante, risonha, festeira, cozinheira, alcoólatra (kkkkkkkkkk), gordinha, religiosa, ranzinza, comilona,”tricoteira”, fofoqueira, rueira, elegante, LOIRA, enfim, uma AVÓ!
Nós sempre brincamos que nossos filhos serão amigos, certo meninas? Vamos queimar o filme uma das outras para eles não é isso? Pois eu vou mais além: NOSSOS NETOS serão amigos. E se eles não forem, nós ainda seremos amigas, e vamos contar nossas histórias a eles. Já posso até ver a Pestana sentada com uma xícara de café e um cigarro na mão contando à minha netinha Sofia (PORQUE SE MINHA FILHA NÃO VAI PODER CHAMAR SOFIA, A NETA VAI PODER, TÁ?!?!) : - Sabia que a Mari era uma galinha quando era jovem? Ela vivia de saia curta! E você sabia que ela teve um caso de anosssss e perdeu a virgidade com o ... aqueeeeeeeeeeeeeeeeleeeeeeeee que é Vô do Joãozinho, sabe?!?
Ou então eu sentada contando aos pequenos atletas, netos da Tati, claro, como ela ficava sem a unha do pé quando fazia maratona. Talvez contando aos mau humorados, netos da Pestana, enquanto esperamos ela ser liberada da cadeia, (ela foi presa por desacato à autoridade que tentou prendê-la por estar fumando dentro de algum shopping, e apanhou de bengala) da vez que ela roubou o carro, bateu e pintou a parede com guache...
E se não for pra isso, pra que vivemos nossas vidinhas? Ser avós é ser contadores de histórias e a vida é feita de memórias, são as únicas coisas que sempre carregaremos, assim como nossas bolsas LV, que tem garantia vitalícia. Então, vamos viver, certo? “Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi”, e quantas.

A avó da foto é a Vó Didi, e na ocasião estávamos sim, de porre. Era festa de Natal da minha família, e ela tinha acabado de dizer a mim, e a mais alguns netos mais velhos que não ia subir pra ver o Papai Noel porque ela tinha sido uma “menina má”. Eu juro que isso aconteceu.

Um beijo nas vovós e vovôs, com todo o meu carinho.

5 comentários:

Pestaninha disse...

Avós! Confesso que tenho mais vontade de ser mãe com açúcar do que mãe de verdade.
Minha avó Dora era excepcional. Perua ao extremo! Dela herdei muito da frescura que as pessoas dizem que tenho (eu não acho). Meu avó Sylvio era inteligentíssimo e bem nem aí com a hora do Brasil (acho que herdei isso dele também).
Minha avó Rachel é carola de carteirinha, mas uma mulher muito a frente do seu tempo. Acho admirável que uma senhora de 82 anos seja totalmente independente e informada como ela. Já meu avô Thales, que não convivi muito, foi um grande Bon Vivant de charme incontável que galinhou muito por várias bandas...
O que seria da gente sem eles?!? Guardo todos no coração.

Tatu disse...

Vixi.. é pra falar disto mesmo? Tenho poucas lembranças do que estavam vivos enquanto eu era tiquita mas resumos a maluquice: uma avó parideira que teve 10 filhos (a natureza é tão linda que fez de 2 em 2 anos e intercalando um homi e uma muié), um avô RUSSO ( chique, hein!), depois um avô que gostava de jogo e ainda comigo tenho a vó Bel, doidinha mas sob controle dos medicamentos, sempre muito religiosa e carinhosa no telefone. Agradeço aos véios que fizeram meu papai e minhã mamãe e estes, que fizeram um oooutro papai e mamãe para eu estar aqui!!

Danny disse...

Abre o olho Mariana!

BIA RIETMANN disse...

POIS EU PROTESTO !!!
SOU FILHA DA AVÓ,PORTANTO COMIGO ELA NEM PÔDE TER SIDO TÃO LEGAL ASSIM POR RAZÕES ÓBVIAS:FUI EDUCADA POR ELA(= ELA FAZIA A LINHA DE PERFEITA).
SOU A MÃE DA NETA, PORTANTO NÃO PUDE SER DIVERTIDA, TINHA QUE SER O EXEMPLO DO QUE ERA CERTO E ERRADO( E TINHA QUE FAZER A LINHA DA PERFEITA PRA MINHA FILHA-É, MAIS OU MENOS KKK).
MAS A VERDADE É QUE NESTE SANDUÍCHE, ONDE AS DUAS PARTES FICARAM COM A MELHOR PARTE( TODA A DIVERSÃO), EU NÃO PASSEI DE UM SIMPLES RECHEIO DE MARGARINA!!!
MAS AINDA BEM QUE TENHO MUITAS HISTÓRIAS VIVIDAS COM OS "MEUS"AVÓS...QUE FORAM SEM SOMBRA DE DÚVIDAS...QUASE TÃO MARAVILHOSOS QUANTO EU SEREI PARA OS "MEUS"NETOS.ALIÁS, TÁ DEMORANDOOOOOOOOOOOOOOOO...

Pestaninha disse...

ih sujou!!! Mãe cobrando neto é fogo... Já mandei a minha pedir pra Fabiana.